De Salto Alto

Compulsão alimentar: como frear?

Por Rita Cherutti, nutricionista especialista em psicologia e esportes, mestre em medicina pela UFRGS

Quem sofre com a compulsão alimentar sente-se repetidamente desmotivado e com sensação de fracasso, pois, diante de uma crise, pode chegar a ingerir até 8 mil calorias em uma única refeição. Este ciclo vicioso desagrada, entristece e desmotiva quem sofre desta doença tão pouco comentada e,  menos ainda, compreendida pela sociedade.

Geralmente, os compulsivos vivem em um eterno efeito sanfona, no velho “emagrece e engorda”, e possuem um guarda roupas que vai do tamanho 36 ao 48, pois vivem oscilando pesos e fases.  Em primeiro lugar, aceitar a doença é fundamental e, em seguida, a pessoa deve buscar auxílio com terapia e acompanhamento de uma nutricionista.

Dentro da nutrição existem alguns alimentos que são gatilhos para quem é compulsivo, por isso, conhecer o que te desencadeia uma crise é essencial. Como exemplo podemos citar a pipoca, que pode desencadear uma crise em uma pessoa e em outra não, e o tão famoso cacetinho (pão francês), que pode causar extrema compulsão. Portanto, a dica é: observe o que te faz enlouquecer atrás de mais comida e evite de vez este alimento. Não tente se sabotar, retire ele da sua lista de compras e procure não leva-lo mais para sua casa.

Sabemos o quanto é difícil abrir mão do que se gosta, mas, com certeza, o mais difícil é passar uma vida inteira lidando com duas imagens tão extremas no espelho, e, mais ainda, com a sensação de fracasso que este comportamento traz.

Procure ajuda, compulsão tem tratamento e você merece ser cuidado! =)

COMENTÁRIOS

Ao enviar seu comentário você automaticamente concede AUTORIZAÇÃO para utilizar, reproduzir e publicar sua imagem e comentário, incluindo o conteúdo das suas declarações e opiniões, através de qualquer meio ou formato, em veículos de comunicação integrantes do GRUPO RBS.

Confira as melhores raças de cães para o convívio com crianças

Nos últimos dias resolvemos buscar um cachorrinho para fazer parte da família. Relutamos um pouco para atender esse pedido do Theo, mas acho que agora é a hora. Mas e aí, qual raça escolher?

Tudo vai depender muito do seu objetivo e do temperamento e rotina da família. Quer para companhia? Quer para ajudar a cuidar da casa? O veterinário Gustavo Vicente, da Clínica Mundo à Parte, listou as melhores raças para conviver com as crianças.

1. Vira lata

Essa é a “raça” de cachorro que o veterinário mais indica. É possível encontrar um SRD (sem raça definida) adulto ou idoso cheio de amor para dar para uma família. São dóceis, adaptáveis a qualquer tipo de casa e adoram uma brincadeira e, acima de tudo, muito amor.

2. Golden Retriever

Muito inteligente, de porte grande, pelo longo e bom temperamento, é uma raça perfeita para quem tem filhos que gostam de brincar, correr bastante pela casa e têm muita energia para gastar com um cão bastante ativo.

3. Labrador Retriever

Muito parecido com o Golden Retriever quanto ao temperamento e ao gosto por brincadeiras. Difere pela pelagem curta, embora apresente maior queda de pelos. É um excelente companheiro para toda a família.

4. Dachshund

Sempre em busca de uma nova aventura, são excelentes para brincar com a família toda. Não é recomendado para crianças de muito pouca idade: como têm predisposição a hérnia de disco, é melhor evitar o risco de que a criança caia sobre ele durante uma brincadeira. É uma raça bastante temperamental e muito divertida.

É importante lembrar que, para ter um cachorro em ambiente com crianças, é preciso ter a noção de que o pet precisa de cuidados especiais que apenas adultos podem proporcionar, como levar no veterinário, dar banho, comprar ração de boa qualidade, limpar fezes e urina. Mas é muito importante dividir algumas tarefas com as crianças desde cedo para que elas aprendam mais sobre responsabilidades e cuidados desde a infância.

Outra questão a considerar é sua casa. “Tenho escadas em casa? Tem pátio com um piso antiderrapante para ele brincar? Moro em apartamento pequeno e o piso é escorregadio?”. Todos esses fatores influenciam bastante na hora de escolher o cachorro ideal.

COMENTÁRIOS

Ao enviar seu comentário você automaticamente concede AUTORIZAÇÃO para utilizar, reproduzir e publicar sua imagem e comentário, incluindo o conteúdo das suas declarações e opiniões, através de qualquer meio ou formato, em veículos de comunicação integrantes do GRUPO RBS.